15 abril 2010

Ipsis verbis - no aproveitar é que está o ganho

“o investimento não vai parar, quer no IC5, no IP2, ou na autoestrada transmontana. Agora, os transmontanos têm de saber dar resposta e potencializar essas obras, isso é evidente”. Mota Andrade, deputado e líder socialista da distrital de Bragança. Daqui

3 comentários:

João disse...

Os transmontanos têm que potencializar essas obras,isto é,têm que fazer investimentos ou chamar investimentos(privados)para aproveitarem e justificarem as obras feitas.
JLM

mario carvalho disse...

http://menos1carro.blogs.sapo.pt/175637.html

A linha do Tua e o caciquismo
O deputado socialista eleito por Bragança, Mota Andrade, continua a mostrar a saudável noção de realidade pela qual muitos deputados são conhecidos. A sua fidelidade é com as grandes orientações do grão-mestre e secretário geral do seu partido e, porque não, com o grande empresário e gestor António Mexia da EDP. Os interesses das gentes do seu concelho ficam bem entregues, portanto.



Gosto especialmente das seguintes deixas; mesmo que ele não o saiba, são todo um programa político:



- A ferrovia não pode servir para transportar duas pessoas e transportar um cabaz de laranjas por dia, tem de haver pessoas e mercadorias

- a região necessita é de uma boa rodovia

- não se pode discutir, não se podem investir milhões de euros para transportar uma ou duas pessoas



Com amigos destes, Trás-os-Montes não precisa de inimigos.



A ler: a crónica de José Ferraz Alves, numa visita in situ à linha do Tua e a desconstrução das declarações de Mota Andrade por Daniel Conde, do movimento cívico pela Linha do Tua. É sabido que muito do capital paisagístico que Portugal tem será um dos factores chaves no seu desenvolvimento. Temos que deixar o nosso património cultural e natural cantar. A indústria do turismo crescerá cada vez mais. Desprezar o potencial de transporte de mercadorias até Bragança e quiçá Espanha e o potencial turístico da linha do Tua é uma aposta errada. Ainda para mais quando se pretende defender o seu desaparecimento com a criação de uma barragem injustificável.


Este é tal Bacoco que nuito se falou

Quantas pessoas e quantos cabazes de laranjas é necessário transportar para justificar os milhões necessários?

Anónimo disse...

Em relação à A4, gostava de fazer, directamente, esta pergunta ao Sr. deputado, Mota Andrade, bem como a todos os seus colegas eleitos pelo PSD. Como não tenho essa possibilidade, faço-a através deste meio. Com efeito, aqui vai ela:

- Se em todas as SCUT's que temos no país, mesmo em regiões com mais poder económico que a nossa província, os utilizadores não pagam portagem; Vossas Excelências aceitam e compreendem com toda a JUSTIÇA, que os brigantinos paguem portagem nesta via rápida, junto à cidade de Bragança?

Cumprimentos,

LVS