04 novembro 2009

apoie-se o veto

O Tribunal de Contas (TC) vetou as concessões do Douro Interior (IP2 e IC5) e da Auto-estrada Transmontana.

A luz verde a estas PPP - Parcerias Público-Privadas só acenderá se os contratos firmados entre a Estradas de Portugal e as concessionárias privadas, respectivamente a Soares da Costa e a Mota-Engil, forem alterados. Os jornais acrescentam ainda que este veto se pode estender a outras concessões.
É uma notícia que parece preocupante, mas as putativas inquietações não são mais de simples retórica.
Dizem-nos que o itinerário complementar (IC5) e a auto-estrada podiam ser vias fundamentais para a região e, particularmente, o IC5 para o concelho de Carrazeda. Será?
Não se viu, por parte dos eleitos carrazedenses nestas autárquicas, uma preocupação, um projecto, uma ideia para potenciar a futura rodovia ou tão só tirar partido dela, ao contrário dos candidatos eleitos em outros municípios.
Por isso a sua construção nada interessará às nossas gentes, pois democraticamente caucionaram o deserto de propostas e de vontades. Apenas afectará uma pequena minoria que precisa de deslocar-se para o litoral, mas esses serão os mais privilegiados, e também acabarão por partir "à conquista do oeste".
O veto "tanto faz como fez"?
Não!
O veto poderá até permitir o crescimento das nossas idiossincrasias e acentuar a nossa "ruralidade", contribuindo para a criação de uma "reserva" de autóctones. Os resistentes poderão aspirar a viver razoavelmente e arranjar uma excelente fonte de receitas, a cobrança de bilhetes aos visitantes de tão "curiosa" espécie.
Por isso apoie-se o veto.

2 comentários:

mario disse...

Financiamento das estradas em risco após chumbo do TC
Os bancos que haviam garantido financiamento para as novas estradas estão a ameaçar retirar o apoio às empresas, depois de o Tribunal de Contas (TC) ter recusado o visto prévio a duas destas concessões. Até porque mais quatro concessões podem ver o visto prévio negado. Grande parte do programa do Estado para as estradas pode paralisar. Já há, aliás, obras a parar.

--------------------------------------------------------------------------------

Jornal de Negócios Online
negocios@negocios.pt


Os bancos que haviam garantido financiamento para as novas estradas estão a ameaçar retirar o apoio às empresas, depois de o Tribunal de Contas (TC) ter recusado o visto prévio a duas destas concessões. Até porque mais quatro concessões podem ver o visto prévio negado. Grande parte do programa do Estado para as estradas pode paralisar. Já há, aliás, obras a parar.

Os contratos de financiamento que haviam sido assinados entre bancos e empresas concessionárias tinham como condição, praticamente para todo o financiamento, precisamente o visto do TC. Em algumas das concessões, apenas uma parte parcial, e menor, desse financiamento era dada logo no início: esse crédito inicial não está em risco, uma vez que tem garantias bancárias. Mas a maior parte depende do visto que está em risco.

mario carvalho disse...

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=395107

Auto Estrada do Interior