30 junho 2010

GOVERNO DO POVO

O CASTIGO DEMOCRÁTICO

No principio a gente ouvia falar de Democracia, mas na nossa aldeia ainda não tinha chegado,
Porém a vida corria normalmente e quer as ideias, quer as inicitivas, tomadas pelo colectivo e
graças ao trabalho do Regedor, a ordem publica era mantida e respeitada.
Veio o 25 de Abril em 1974 e vieram os representantes dos Partidos, com as suas ideias e orientações politicas, rotulados de Direita e Esquerda. Chegaram à aldeia e impôem os seus candidatos aos diversos cargos do Municipio, no acto eleitoral que os vai eleger.
´ O nosso candidato aqui chamado de “X” foi eleito pelo partido social democrata e durante vários mandatos à frente da autarquia a minha aldeia teve o desenvolvimento esperado. Foi sempre o amigo, o homem com capacidade para o cargo, por todos reconhecidamente.
Aconteceu que o filho discordou das ideias do pai e saiu de cena. Não aceitou concorrer pelo Partido que serviu durante muitos anos, mas aceitou como candidato Independente continuar a servir a sua aldeia e a sua gente, de quem gosta, a mesma que o elegia para o cargo novamente.
Termina aqui uma história feliz? NÃO. Aqui se descrgve uma história com alguma semelhança do que ficou dito. No dia 27 de Junho e como vai sendo habitual a Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Fontelonga, realizou a tradicional Sardinhada, eu como sócio e muitos outros amigos estivemos presente. Foi notória a falta de muita mais gente da aldeia e os motivos para tal, dizia-se que: - Cá na terra há dois Partidos, e o povo dividiu-se. Não compreendi como é que tal possa acontecer, mas ouvi de boca de um aqmigo natural e residente na Fontelonga. Eu não fui e não participei porque aquela gente, não é do meu Partido.Um raio que te parta, respondi.
A finalizar aqui vos deixo mais um exemplo, este na 1ª pessoa da influência dos Partidos. Quando nas ùltimas eleições autárquicas em visita ao Pinhal do Douro, um velho amigo de longa data, diz.- bolas andas com essa gente, nem um copo de àgua te ofereço. Visivelmente perturbado, o meu amigo, não compreendia que eu concorria como outros como Independente. Mas, não gostava do tal partido. Que havemos de fazer? …Que castigo a democracia nos deu, quando divide familias e amigos?

12 comentários:

Anónimo disse...

Manuel, é vida como diria Guterres. mj

abcdesporto disse...

Amigo Barreiras Pinto:
Gostei da sua parábola. Lendo nas entrelinhas, o texto tem uma mensagem muito auspiciosa.
Continue com esta critica construtiva.
Um abraço amigo de longa data.

Por Abcdesporto

Gilberto Ferraz disse...

Pois é Manuel.... é triste mas é assim..... eu lamentavelmente não pude estar por problemas de saúde de um dos meus irmãos... fico contente que tenhas aparecido e te tenhas juntado a nós... serás sempre bem recebido.... quanto aos partidos na aldeia.... bem isso nem vou comentar nem merece....

Anónimo disse...

NAO ENTENDO PORQUE DIZEM DIVIDIR?
NAO ENTENDO PORQUE É QUE ,TERIAM QUE SER TODOS INDEPENDENTES ?
VIVA A DEMOCRACIA ,NAO SOMOS CARNEIROS. AINDA BEM QUE VOTARAM INDEPENDENTES E NAO INDEPENDENTES
E JA AGORA TIVE PENA NAO FUI MAS OUVI DIZER QUE ESTÁ UMA LINDA OBRA .
COM 90000CONTOS AINDA SE FAZ MUITA OBRA.
ASS.VOTO EM BRANCO

Anónimo disse...

Pelo que me parece a tal obra de 90000 contos a tal do pinocro da Fontelonga não está assim tão bela, bela só o dinheiro que lá foi gasto inutilmente.Pois essa obra foi uma promessa bem cara para este concelho, tal como outras inacabadas.

Anónimo disse...

Uma obra daquelas para se lá comerem meia dúzia de sardinhas uam vez por ano...Só nesta terra!!

Anónimo disse...

A obra a que o senhor "anónimo" se refere foi uma obra do na altura denominado programa AGRIS, que custou ao município 0 (ZERO) euros... devia sua excelência de estar mais bem informado antes de opinar. Devia de perguntar ao seu autarca da "altura" de o não ter aproveitado. Enfim eu costumo dizer que por vezes a ignorância é uma bênção mas no seu caso é mesmo uma tristeza.

Anónimo disse...

90000 CONTOS MAS EU OLHO PARA A OBRA E NAO VEJO INVESTIMENTO DE 30000 !!!


ASS.INDEPENDENTE

Anónimo disse...

o programa AGRIS é pago pelos contribuintes e não justifica má gestão, esbulho de dinheiro público e aberrações arquitectónicas...
ass.luva branca

Anónimo disse...

Meu caro Independente!

o investimento total do programa contemplou na altura não só a obra do pinoco, como também a reclassificação e arranjo de toda a denominada rua do fundo da aldeia de Fontelonga, assim como alguns arranjos na Penafria.

Ass. Independente^2

Anónimo disse...

Tanta areia e a camioneta tão pequena...


Ass. Independente

Anónimo disse...

Pois, voçe deve de ser mais um que vive na grande metropole de Carrazeda de Ansiães.
E que o pouco que se faz nos concelho deveria ser feito em carrazeda.
Menos mal que o senhor não manda nem pinta nada, senão ainda teríamos as aldeias do concelho à luz da vela, sem água potável, nem saneamentos.

Amigo tenha la dó

Ass: Independente ^2