07 junho 2008

Comunicado

(...)
Não podemos considerar normal, nem tão pouco coincidência, que em vésperas de fins-de-semana prolongados, com a expectativa da visita de centenas de turistas, alguns deles com viagens charter programadas nas automotoras do Metro de Mirandela, a Linha do Tua venha a sofrer um acidente e/ou novo prolongamento das condições degradantes em que se efectuam as circulações ferroviárias e o transbordo por táxi. Queremos deixar bem claro que a ocorrência da descoberta de parafusos afrouxados das travessas há algum tempo é gravíssima.

(...)
Parece não ser demais voltar a frisar que em 120 anos de História, a Linha do Tua registou 2 acidentes mortais, mas no espaço de ano e meio, com o intensificar dos ataques mesquinhos de quem defende uma barragem no Tua, conta já com 3 descarrilamentos, todos na mesma zona. Ataques estes que utilizaram numa zona perto da dos acidentes o uso de maquinaria pesada e explosivos.
A rapidez com que algumas entidades vêm a público garantir a perigosidade insustentável da Linha do Tua não pode continuar a passar incólume, mormente pelas responsabilidades que tais entidades assumem na sua gestão.
Por estas razões, remetemos ao Governado
r Civil de Bragança o nosso total repúdio, uma vez que o exercício das suas funções, que passam pela defesa dos interesses do distrito brigantino, nada têm a ver com a celeridade com que vem a público afirmar, sem um mínimo de informação e ponderação, que a Linha do Tua, última via-férrea do distrito que representa, deve fechar porque é perigosa. Propomos ao Senhor Governador que encerre o IP4 imediatamente, pois via de comunicação mais perigosa no distrito não há, e lembramos-lhe que quando remete ao público alguma afirmação fá-lo em nome do Governo que representa, e não de uma circunstancial conversa de café.
(...)

Movimento Cívico pela Linha do Tua, 7 de Junho de 2008

12 comentários:

Mario disse...

CRIME??

Polícia Judiciária investiga

pg 27 do JN de hoje


Notícia sem impacto

Porquê?

quando não há argumentos para encerrar ... criam-se ???? Será possível que chegámos ao ponto de matar inocentes só para se atingirem objectivos no mínimo obscuros??? SERÁ POSSíVEL???

Couve disse...

http://alguresemcarrazeda.blogspot.com/

João disse...

Será possível formular uma interrogação para ser lida como verdade já devidamente averiguada?
JLM

Anónimo disse...

Aqui tudo é possível meu caro Dr. João Lopes de Matos!

Mario disse...

depois de averiguada já não é uma interrogação é uma certeza

como é certeza que as averiguações e inquéritos não são disponibilizados

interrogação:

Porquê?


cumprimentos

Mario disse...

Afinal ... nem linha nem compensações:

É uma questão de solidariedade nacional


INAG discorda das compensações

O presidente do Instituto Nacional da Água entende que os autarcas do Vale do Tua não devem reclamar compensações pelo facto de se construir uma barragem na região.

Consulte o artigo completo em: http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?distrito=bragan%e7a&concelho=mirandela&option=interior&content_id=956948
Responder Encaminhar

Mario disse...

INAG discorda das compensações
02h00m
fernando pires
O presidente do Instituto Nacional da Água entende que os autarcas do Vale do Tua não devem reclamar compensações pelo facto de se construir uma barragem na região.

O presidente da Câmara de Mirandela não aceita as explicações O presidente do Instituto Nacional da Água (INAG), Orlando Borges, sustenta a sua afirmação tendo em conta "a lógica da solidariedade nacional", em que todos os empreendimentos dão energia para o país e "não há que reclamar por isso outras compensações", afirma. O presidente do INAG vai mais longe e mesmo que se coloque a possibilidade de se analisar a questão na lógica do potencial hidroeléctrico, verifica-se que a barragem de Foz-Tua "vai produzir energia que é rigorosamente igual à que é consumida na região". Por isso, Orlando Borges diz não fazer sentido a reivindicação dos autarcas para que a verba que a EDP teve de pagar ao Estado, cerca de 53 milhões, pela adjudicação provisória da barragem, seja para os seus municípios. "O que faz sentido é negociarem com o Governo as medidas de desenvolvimento regional, independentemente dos projectos", sustenta o presidente daquele instituto, acrescentando que "se fossem apenas 10 milhões, certamente que não chegaria para os autarcas negociarem medidas de desenvolvimento". Relativamente às consequências resultantes da construção do empreendimento, Orlando Borges admite que, no caso de ser construído à cota máxima de 195, "os impactes negativos são muito significativos", mas considera que há cotas intermédias, entre 170 e 180, que podem resultar em danos menos significativos. Relativamente à linha férrea do Tua, o presidente do INAG diz estar de acordo com o presidente da Câmara de Mirandela, quando defende que a via tem uma mais-valia do ponto de vista turístico e entende a necessidade de haver uma ligação sustentável e eficaz à linha do Douro. No entanto, o presidente do INAG sustenta que essa ligação não tem obrigatoriamente de ser feita de comboio. "Pode haver outras alternativas que agora todos têm a oportunidades de indicar em sede de discussão pública". O presidente da Câmara de Mirandela não aceita as explicações do presidente do INAG, porque considera que os municípios do Vale do Tua deviam receber o dinheiro exigido à EDP pela construção da barragem. José Silvano acha estranho que pela primeira vez o Governo tenha pedido dinheiro pela adjudicação provisória de uma barragem e que a verba vá para os cofres do Estado "em vez de fazerem parte da compensação dos municípios que sofrem as consequências negativas dessa construção". Para além disso, o autarca está convicto que a EDP vai dizer aos autarcas do Vale do Tua que "só pode negociar a partir do dinheiro que der ao Estado, conforme a cota a que for construída a barragem", afirma. O autarca também não acredita na neutralidade do Governo neste processo.

Mario disse...

OS VERDES” EXIGEM VINDA DO MINISTRO MÁRIO LINO AO PARLAMENTO



O Partido Ecologista “Os Verdes” vai usar o seu direito potestativo para obrigar a vinda do Ministro Mário Lino à Comissão Parlamentar de Obras Públicas, Transportes e Comunicações para prestar esclarecimentos sobre as causas dos acidentes na Linha do Tua, as intervenções de reposição da linha e, as medidas de segurança implementadas desde o acidente de 2007.

“Os Verdes” relembram que o Governo se tem recusado a tornar público os resultados dos relatórios do inquérito ao primeiro acidente e entretanto já ocorreram mais dois acidentes cujas causas são inexplicáveis.



O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes

Anónimo disse...

http://dn.sapo.pt/2008/06/15/economia/clientes_pagar_dividas_incobraveis.html

Clientes vão pagar dívidas incobráveis


ANA SUSPIRO

Electricidade. Até agora, EDP tinha de assumir a totalidade dos custos com as dívidas incobráveis. A situação vai mudar a partir de 2009. Os consumidores vão partilhar este risco com a eléctrica. Em causa estão valores entre 0,2% a 0,3% da facturação total. Em 2007, foram 12,5 milhões de euros

Em 2009, a EDP vai partilhar os custos com consumidores

Os custos com as dívidas incobráveis da electricidade vão passar a ser pagos por todos os consumidores. Hoje, é a EDP Serviço Universal que assume os encargos totais dessas dívidas. Mas a proposta da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) para o próximo período regulatório de 2009/11 prevê que os encargos com esses compromissos passem a ser partilhados com os consumidores de electricidade a partir do próximo ano, nas tarifas de electricidade.

Em causa estão valores relativamente pouco significativos, ou seja, nunca ultrapassam 0,2% a 0,3% do volume de negócios do serviço universal da EDP. As previsões para este ano, apontam para um montante de incobráveis de 13,6 milhões de euros, mais 9% do que no ano passado (12,5 milhões de euros). Se metade do valor for transferido para os cerca de seis milhões de consumidores de electricidade no próximo ano, o acréscimo na factura anual seria pouco superior a 1 euro (1,13 euros).

No passado, a ERSE sempre considerou que o risco de cobrança teria que ser assumido pela empresa e que "os consumidores não deveriam suportar as dívidas dos maus pagadores. Por enquanto, apenas é permitido que os clientes financiem temporariamente as dívidas à EDP que são pagas. Mas a eléctrica alegava que os incobráveis são também um custo do sistema, que não é possível eliminar totalmente. O regulador, aceitando que esta realidade não depende apenas da actuação da empresa, mas também da conjuntura económica, aceitou passar a incluir nos proveitos permitidos para esta actividade, e que são constituídos pelas tarifas finais de electricidade, uma parcela associada ao risco de cobrança, que permite a partilha destes riscos com os consumidores. Haverá sempre contudo um limite aos encargos a passar para os clientes para que o operador seja estimulado a cobrar as dívidas.

Mais opções para poupar

Este é apenas um dos aspectos das regras para o novo período regulatório. Ao nível das tarifas eléctricas finais são criadas novas modalidades como a tarifa tri-horária, a juntar à bi-horária que vão permitir aos consumidores ajustarem os seus consumos aos horários de menor procura, com benefício na factura. São ainda criadas novas opções de qualidade de serviço que permitem ao cliente economizar no valor que paga se aceitar uma facturação trimestral, em vez de mensal ou se optar apenas por aceder à factura na Internet.

Mario disse...

http://manueltao.spaces.live.com/Blog/cns!F7BE76B8FAD0FA07!133.entry

16-6
PAGAR CARO
Aí está. A factura da embriaguez em petróleo e da toxicodependência rodoviária em que Portugal se enterrou nas duas décadas de Integração Europeia.
Um poder político sem largueza de vistas, decidiu privilegiar o retorno rápido das estradas a expensas do caminho de ferro. O binómio estradas-receitas fiscais do petróleo, era uma espécie de motor de movimento perpétuo que nunca falharia. Com mais carros exigia-se a construção de mais estradas. E com mais estradas apareciam mais carros. E com a receita fiscal proveniente da venda de produtos petrolíferos, até se brindava ao povo com auto-estradas de graça: as SCUT´s. Tudo funcionaria lindamente e sem sobressaltos, garantindo um sistema financeiramente próspero, não fora o petróleo ser produzido fora da economia do país. Mas enquanto o crude se mantivesse barato, a condição de "price-taker" não traria quaisquer tipo de problemas a Portugal. Quanto à logística, o rei-camião, solução universal, fez milhares de patrõezinhos da sua própria firma, algo bem mais simpático do que aqueles estruturas "pesadas" como o comboio, que sempre encaixaram mal no ideário neo-liberal.

Com o petróleo a bater recordes após recordes, o brinquedo partiu-se. E Portugal começou a colher o fruto podre da política de abandono e desmantelamento do caminho de ferro que andou a semear ao longo de duas décadas. A populaça revolta-se contra o elevado preço do combustível para o abastecimento da sua viatura privada, sem nunca equacionar sequer compartilhar o carro, ou mudar para o transporte público. Mas foram estes aumentos, por via do exterior, que ditaram, pela primeira vez, uma redução sensível de viaturas diárias a entrar em Lisboa (20.000 a menos, em Maio de 2008). Mais do que qualquer autocolante inútil aposto nas viaturas, dizento "goze a viagem, vá de transporte público", o factor preço foi o único que até agora conseguiu minimamente reduzir a utilização do automóvel - algo que dá que pensar a muito boa gente da política, que foge da ideia de "road-pricing" como o diabo da Cruz. Aliás, o PETs (estudo efectuado à escala Europeia em 2002), já adiantava que de todas as capitais Europeias, aquela onde a penalização monetária do uso do automóvel se revelaria mais eficaz, resultando em -32% de tráfego, seria, precisamente, Lisboa. Mas como implementar políticamente a medida, atingindo indivíduos que se andou duas décadas (e se continua) encorajando a desertar do transporte público?

Mas há ainda mais questões alarmantes sem resposta.

Portugal está nas mãos de meia-dúzia de grupos que dominam a logística, e não respeitam sequer quem, dentro do ramo, não aceita alinhar nas acções de protesto por si promovidas. O Governo ofereceu-lhes uma série de concessões - AGORA. E o que é que vai fazer, quando o crude petrolífero porventura chegar aos U$200??? Mais concessões? O contribuinte a quem se bloqueia o subsídio à exploração de uma linha ferroviária no interior de Trás-os-Montes, vai ter outra vez. e outra vez, e outra vez que subsidiar semelhante situação? Como subsidia Portagens na Ponte 25 de Abril, enquanto que o comboio da FERTAGUS apresenta das tarifas suburbanas mais elevadas da Europa (expressas em PPP)?

E como é que o Governo, que insiste em construir mais auto-estradas (quando se considera não-prioritário ligar Viseu à rede ferroviária),vai financiar as novas SCUT´s? Os mesmos sectores que querem auto-estradas de graça (e ainda as têm), querem redução do Imposto sobre Produtos Petrolíferos, dos quais sai correntemente uma larga fatia para entregar aos concessionários das famigeradas rodovias.

Como descalçar esta(s) bota(s)?22:28 | Adicionar um comentário | Enviar mensagem | Hiperligação permanente | Ver pistas (0) | Colocar no blogue

Mario disse...

http://manueltao.spaces.live.com/

link do Blogue do Prof Manuel Tão

o maior especialista em transportes

Mario disse...

O contribuinte a quem se bloqueia o subsídio à exploração de uma linha ferroviária no interior de Trás-os-Montes, vai ter outra vez. e outra vez, e outra vez que subsidiar semelhante situação?"

Retirado da informação do Prof Manuel Tão