09 maio 2013

OS PSICOTRÓPICOS: João Lopes de Matos



Psicotrópicos são aquelas substâncias que têm o condão de alterar o nosso psiquismo. Dão-nos desenvoltura verbal e gestual ,imaginação fértil, inteligência arguta e descontração (muita descontração). Vem tudo isto a propósito de um artigo dedicado a Carlos Fiúza. Na sua reação ao artigo, ele parece um tanto agastado e terá alguma razão. E aponta como causa para o meu dislate o facto de eu tomar algumas substâncias que me fizeram dizer o que em circunstâncias normais eu não diria. E tem razão. Há uns anos atrás não teria, de certeza, o atrevimento que agora tive. A tomada de posições requer uma certa descontração e uma dose razoável de leviandade; de contrário, alguém, que seja tímido como eu era, acaba sempre por optar pelo mutismo, com medo de vir a ser entendido como inconveniente. Ora, determinadas substâncias desinibem-nos mas, por vezes, uma espécie de diabo toma conta de nós. Ficamos um tanto desinibidos demais. Foi isso o que me aconteceu ,melhor, é isso o que me tem acontecido.
Vista e assente a causa do procedimento repreensível, vejamos, ponto por ponto, o desenvolvimento do pensamento que levou à redação total do referido artigo.
Comecei a escrever sem saber se o que se seguiria iria ser a sério ou a brincar. Nas primeiras linhas , nota-se logo que aquilo iria terminar em brincadeira(de mau gosto, convenho).
Mesmo a brincar, reconheço que, na luta verbal em que nos engalfinhámos, eu estava a perder em toda a linha, ao contrário do que de início pensava, que seria uma vitória fácil, pois eu fiquei molestado e o meu contendor permanecia intacto.
A aliança de que falo e o prestígio obtido pela participação no blogue só podem ser entendidos como resultado duma imaginação muito fértil, já que a participação num blogue de Carrazeda (o JAM que me perdoe) não carreia importância a ninguém(melhor ,carreia em pequeníssima medida), muito menos a nível nacional.
Claro que é verdade que todos nós ficámos aturdidos com a profundidade dos pensamentos e análises e a exaustão das explanações de Carlos Fiúza. Também é verdade que os seus textos  tinham todo o contorno de trabalhos do mais alto nível universitário.
A brincar, simulei que isso me desfavorecia e que era preciso desmascarar o intruso. E, talvez aqui, tenha enveredado pelo caminho mais polémico. Recorri àquilo que o homem comum pensa do professor universitário, que é miudinho, confuso, de linguagem inacessível . É o recurso do homem vulgar, a que deita mão para escapar ao esmagamento pelo superior saber de um espírito culto, profundo, inacessível ao comum dos mortais.
Exagerei, talvez.
Mas esta é a minha defesa. E que venha agora o julgamento dum juiz magnânimo, pois um muito rigoroso não me convém.
João Lopes de Matos

8 comentários:

Fernando Gouveia disse...

Meu caro JLM
Não sei o que pensará o Carlos Fiúza e não quero ser juíz dessa questão, até porque, para mim, não há questão. Entendi, de facto, o seu artigo como brincadeira, normal entre pessoas que se conhecem e, ademais, se respeitam.
Mas, como não conheço pessoalmente - para meu desgosto - nem o JLM nem o CF, posso, em toda a independência, afirmar que os dois escrevem coisas interessantes neste blogue. As experiências de vida são diferentes, o CF tem, de facto, intervenções que demonstram muita cultura e muito trabalho de investigação, e o JLM traz-nos, por vezes, a reminiscência de quem sente a terra e pretende "puxar" por ela.

Também entendo que escrever, aqui ou noutro local, não visa dar-nos projecção, mas apenas permitir-nos contribuir para uma troca de ideias, pelo que não entendo isto como uma competição de saberes ou de competências.

Posto isto, resta-me esperar que continuará a fazer o exercício da escrita aqui, entre conterrâneos, e que o CF suscite novos assuntos para debate saudável, como sabe tão bem fazer.
Um abraço a ambos.

mario carvalho disse...

Caro JLM

começo a ficar preocupado com a sua argumentação... já dificilmente consigo conter as lágrimas..

cump

mario carvalho

mario carvalho disse...

Caro JLM

começo a ficar preocupado com a sua argumentação... já dificilmente consigo conter as lágrimas..

cump

mario carvalho

mario carvalho disse...

Caro JLM

após ter lido o comentário "juiz magnânimo," Fernando Gouveia e as minhas lágrimas ,, transformadas em choro copioso.. "quasi que juro" que o Carlos Fiúza regressará à defesa da terra de que ele tanto gosta e ao blogue para que tanto contribuiu..

cump a todos .. façamos tudo pela nossa e orgulhemo-nos do que somos ....duros com os duros e condescendentes quando é preciso

abraço a todos
mario carvalho

-----------------------

Para quem não se preocupa com pormenores... este blogue é um sucesso nacional, sem propaganda barata... basta verem o numero de visitas... por isso a imagem de Carrazeda.. também transparece aqui

Carlos disse...


Meu Caro João

Contrariamente ao que possa ter pensado, não fiquei "agastado".

E não fiquei, acredite.
Como escrevi, já o conheço suficientemente bem para "ler" em si determinadas características.

"Avante", pois!

Não se livrará, assim, tão facilmente de mim.

Abraço
CF

PS - Razão terá MC... a sua "argumentação" comoveu-me quase até às lágrimas.

Anónimo disse...

Caro MC:Começo a ficar preocupado com o enigma da sua escrita:não sei se hei-de rir se chorar!
JLM

mc disse...

Caro JLM

na dúvida " sorria"

...

e parabéns ... a sua argumentação conseguiu convencer o CF

Este será um dia para comemorar

mario carvalho

Anónimo disse...

Caro MC:Agora sorrio.Até porque tudo está bem quando termina bem.E é bom ver toda a família do "Pensar Ansiães" novamente unida e em força para lutar pelas grandes causas do país(cada um à sua maneira,claro).
JLM