08 outubro 2013

Carrazeda: Fernando Gouveia



Carrazeda: os naturais não residentes poderão ter um papel a desempenhar?

Os comentários publicados neste lugar durante a campanha eleitoral para as autárquicas e depois da realização das eleições levam-me a algumas reflexões sobre o nosso concelho e eventuais formas de interessar na vida da comunidade concelhia algumas pessoas aqui nascidas, mas, por razões profissionais, residentes noutros lugares, no país ou no estrangeiro.
É um facto que as diversas emigrações para o litoral do país ou para o estrangeiro reduziram para menos de metade, em escassos 50 anos, a população residente, colocando um sério problema de massa crítica para o desenvolvimento do concelho ou mesmo para a sua sobrevivência como comunidade autónoma. Só na última década o concelho perdeu mais de 16% da sua população.
Apesar disso, as férias de Verão e algumas datas simbólicas do calendário, como o Natal ou a Páscoa, mostram que uma parte dos naturais não residentes vêm regularmente ao concelho e possuem aqui interesses, laços familiares, referências psicológicas, habitações secundárias, etc. Esta parte de Carrazeda espalhada pelo mundo é um importante património de experiências de vida, com capacidade para fazer comparações com outros territórios, trazer ideias inovadoras, fornecer competências de aconselhamento ou planificação de iniciativas.
As rivalidades locais manifestadas durante o período eleitoral, vistas de longe, parecem de algum modo injustificadas. Não se nega que há pluralidade de visões sobre a gestão autárquica, que há ambições pessoais legítimas, que há até interesses contraditórios. Mas a agressividade de alguns discursos e as guerras de capela não servem objectivamente a cooperação desejável entre potenciais agentes do desenvolvimento. É desejável que os eleitos não caiam na tentação de favorecer o seu grupo, devendo pautar-se por uma rigorosa imparcialidade e guiar-se pelos superiores interesses de toda a comunidade. É naturalmente positivo que haja denúncia de eventuais abusos de poder ou de favorecimentos ilegítimos. É desejável que os mais informados e inconformados lutem denodadamente pela transparência da gestão autárquica, com uma postura cívica de exigência, sem se cair no insulto despropositado ou, pior que isso, na denúncia caluniosa a coberto de anonimato. Quem tem razão, ou tem uma razão legítima, não tem de se esconder para a afirmar.

Afirmados estes princípios, parece-me que os nossos autarcas têm de prestar alguma atenção à força dos não residentes e aproveitar de algum modo as suas experiências e competências. Haveria antes de mais que inventariar essa população não residente, as suas áreas de interesse e as suas capacidades de intervenção. Não será difícil fazê-lo. Em cada uma das nossas aldeias as pessoas sabem quem é quem, onde está e o que faz.

Poderia pensar-se numa forma de organização mínima, que não exigisse muitas reuniões ou grande formalismo, mas que fosse um forum de discussão de problemas e de ideias para tentar resolvê-los, ou uma plataforma de lançamento de estudos e projectos que, depois de apresentados e apreciados pelos órgãos autárquicos, fossem executados com amplo consenso. Obviamente que uma organização desta natureza não beliscaria em nada as competências próprias da Assembleia Municipal ou da Câmara Municipal, mas poderia ser para esses órgãos uma boa fonte de conselho e de ajuda, para além de ter potencialidades para amortecer rivalidades ou incompatibilidades, uma vez que seria rigorosamente independente e transversal a todas as correntes ideológicas.

Esta é apenas uma ideia, um pontapé de saída para que outras ideia se manifestem. Mas parece-me evidente que o peso dos ausentes na vida dos residentes é suficientemente importante para merecer reflexão.

Fernando Gouveia

27 comentários:

Carlos disse...


Meu Caro Fernando Gouveia

Li o seu articulado e não posso deixar de manifestar a minha solidariedade às linhas gerais do mesmo.

Na verdade, se algo se impõe, é a continuidade intergerecional.

“As férias de Verão e algumas datas simbólicas do calendário, como o Natal ou a Páscoa, mostram que uma parte dos naturais não residentes vêm regularmente ao concelho e possuem aqui interesses, laços familiares, referências psicológicas, habitações secundárias, etc.
“ Esta parte de Carrazeda espalhada pelo mundo é um importante património de experiências de vida, com capacidade para fazer comparações com outros territórios, trazer ideias inovadoras, fornecer competências de aconselhamento ou planificação de iniciativas” Esta parte de Carrazeda espalhada pelo mundo é um importante património de experiências de vida, com capacidade para fazer comparações com outros territórios, trazer ideias inovadoras, fornecer competências de aconselhamento ou planificação de iniciativas”.

É um facto.

“É desejável que os eleitos não caiam na tentação de favorecer o seu grupo, devendo pautar-se por uma rigorosa imparcialidade e guiar-se pelos superiores interesses de toda a comunidade. É desejável que os mais informados e inconformados lutem denodadamente pela transparência da gestão autárquica, com uma postura cívica de exigência, sem se cair no insulto despropositado ou, pior que isso, na denúncia caluniosa a coberto de anonimato.

Outro facto.

“Poderia pensar-se numa forma de organização mínima, que não exigisse muitas reuniões ou grande formalismo, mas que fosse um forum de discussão de problemas e de ideias para tentar resolvê-los, ou uma plataforma de lançamento de estudos e projectos que, depois de apresentados e apreciados pelos órgãos autárquicos, fossem executados com amplo consenso.
Portugal não se pede dar ao luxo de desperdiçar estas mais valias.

Estou, assim, consigo: pela análise, pela lucidez da mesma, pelos pressupostos propostos.

É “chover no molhado”?
Talvez, mas… sem chuva não há culturas!

Abraço.
Carlos Fiúza

Carlos disse...


Aos leitores

Talvez por defeito de “formatação” é-me difícil desligar o português da sua raiz (latim).

Assim, quando escrevi (erradamente) intergerecional (em vez de intergeracional) tinha em mente “Raça”.

Isto é, pretendi dar à palavra Raça (povo) a sua verdadeira significação antropológica: agrupamento de indivíduos que, embora de raças diferentes, têm uma tradição comum, mantêm os mesmos hábitos, a mesma língua e estão ligados por interesses comuns.

As minhas desculpas.
CF

João Carvalho disse...

Caro Fernando Gouveia,

a sua ideia, apesar de bem intencionada, parece-me condenada à partida. Passo a justificar:

Em primeiro lugar, não me parece que os residentes apoiem incondicionalmente que sejam os "ausentes" (como nos chama) que sejam o órgão consultivo do poder político.

Em segundo lugar, parece-me (como acontece com tantas outras iniciativas) que um "Fórum de Não-residentes" (chamemos-lhe assim) seja aproveitado por alguns (que não a maioria) para satisfazer pretensas pessoais e criar uma "elite" que não reflecte minimamente o interessa da população residente.

Mas mesmo que retiremos estas duas questões (mais controversas), não me parece que se consiga discutir num fórum com participantes de todos os cantos do país e do mundo, todas as questões relevantes para o município e para os munícipes. Seria mais simples criar este fórum ao nível de cada freguesia do conselho e os Presidentes de Junta transmitiriam à Câmara Municipal as decisões/orientações/o que lhe quiser chamar das reuniões.

No entanto, parece-me ainda mais simples/viável, que seja a Presidência do Município a tomar a iniciativa e que, através da sua rede de contactos (que os tem, nem que seja através das Juntas de Freguesia) e convoque os "ausentes" que considere que, por experiência profissional, vivências ou formação académica, possam constituir uma mais-valia como consultores numa determinada matéria. Ainda assim, podem verificar-se problemas relacionados com as relações pessoais entre os autarcas e os cidadãos em causa.

Finalmente, resta-me referir a inércia tão característica do nosso Portugal...

Rui R.M. disse...

As palavras podem ser audiveis,persuasiveis, mas sem atitude de que valem?

Anónimo disse...

A ideia é muito boa. Mas duvido que nos consigamos organizar. A "pequena" política do sítio não o vai permitir, porque não é capaz de entender o contributo que poderia ser dado.
Eu que estou fora estou disposto a colaborar de uma forma isenta.

mc disse...

Caro Fernando Gouveia


Limito-me a aplaudir a ideia e os pormenores para a sua concretização.

Embora desiludido com algumas situações que a prática nos demonstra, tenho a certeza que, mesmos os amigos mais descrentes mas preocupados, colaborarão em prol de Carrazeda , a terra que ajudou TODOS e agora precisa da ajuda de todos.

Se assim não for ...

QUE SE CALEM TODOS os "eu" MAS PARA SEMPRE

cump

mario carvalho

Fernando Gouveia disse...

Obrigado a todos pelos comentários.
A algum cepticismo manifestado por alguns intervenientes queria apenas
responder com as seguintes precisões:
Um forum com o que sugeri não seria um "órgão consultivo", não seria uma nova entidade institucional, mas um lugar de encontro, reflexão, discussão, lançamento de estudos e projectos. Obviamente os participantes não estariam lá para obter qualquer cargo ou "tacho".
Também não seria um lugar para fazer oposição a ninguém, mas apenas para ajudar os órgãos autárquicos ou até os empresários que nele vissem utilidade.
Penso que ajudaria a um amortecimento de certas crispações locais, pois que os não residentes, de modo geral, não estão envolvidos nessas rivalidades locais e podem falar com toda a gente, sem distinção de etiquetas partidárias.

Para responder ao João Carvalho: Obviamente que não imagino um tal forum desligado de uma iniciativa da Câmara. Competiria a esta, se entendesse, pegar na ideia, proporcionar a logística e participar abertamente no forum. Já quanto à ideia de o fazer ao nível das freguesias não me parece viável, sempre pelo mesmo motivo: falta de peso, de massa crítica. Naturalmente o forum seria aberto e nele encontrariam lugar os membros das juntas e assembleias de freguesia.
Gostaria de obter mais reacções. Se a ideia viesse a ter apoio, fá-la-ia chegar à Câmara Municipal pelas razões que indiquei acima.
Fernando Gouveia

mario carvalho disse...

bem gostaria de ler a opinião de muitos mais preocupados...Caro Zé Mesquita , que pensa da ideia? e os outros ? .. Mais ninguém lê o blogue?

ou.. as bocas ficam para daqui a 4 anos ?

Anónimo disse...

Atendendo ao repto do meu caro amigo Mário Carvalho, vou emitir a minha opinião:
À partida, parece-me uma ideia de mui difícil concretização. Os naturais de Carrazeda, residentes fora, chegam a estar anos seguidos sem se deslocarem à terra de origem. Muitos consideram-se mesmo do local onde residem e não do lugar onde nasceram. Efectivamente, com as mudanças ocorridas nas últimas décadas, a naturalidade perdeu importância em prol da residência. Nós somos do lugar onde vivemos e, dado que, por vezes, as mudanças são permanentes, uma pessoa sente-se até da localidade em que em cada momento está, o que torna não só a naturalidade algo sem significado como também a própria residência.
Falar, portanto, que uma pessoa não tem voto na matéria porque não é natural de um lugar é de um arcaísmo ridículo.
Dando, no entanto, de barato que a naturalidade permanece o elo mais importante de pertença, ainda assim é preciso saber se é possível haver reuniões frequentes entre pessoas que residem em lugares muito distintos. E acho que não.
Em vez disso, seria preferível que os residentes em Carrazeda organizassem periodicamente essas reuniões e a elas pudessem assistir ocasionalmente aqueles que vivem fora.
Por outro lado, o grupo a formar deveria basear-se numa dúzia de elementos porque, de outro modo, não funcionaria. Devia ser independente do poder autárquico e constituir um grupo autónomo com inteira liberdade de discussão. Deveria ser formado por um conjunto de pessoas, que pudessem jogar com todas as hipóteses e não apenas com aquelas que são comummente entendidas como as defensoras dos interesses de Carrazeda.
As reuniões decorreriam sem grandes alaridos e, de vez em quando, era dado conhecimento público das conclusões a que chegassem, com a nota das posições discutidas.
Deste modo, vejo alguma viabilidade e utilidade numa iniciativa deste jaez.
JLM

Anónimo disse...

O que Fernando Gouveia aqui nos apresenta é bastante pertinente para a realidade sociopolítica de Carrazeda. Se ele me permite, faço minhas as palavras que envolvem a sua proposta. Como cidadão há muito tempo residente nesta terra e estando completamente afastado da política ativa desde Janeiro passado, estou à inteira disposição da sociedade local para uma iniciativa como esta.

HR

Anónimo disse...

Talvez anacronismo em vez de arcaísmo ou as duas coisas.
JLM

helder carvalho disse...

Caro Amigo Fernando Gouveia
Falta-me o tempo que é a coisa mais cara do mundo, para corresponder aos seus comentários e contribuir mais para a discussão.
Estão pendentes algumas questões sobre por exemplo a questão de ser maior a percentagem de abstencionistas no litoral do que no interior. A minha explicação é a de que aqui o controlo e a pressão são maiores. Procure saber se algum velhinho, cego ou paralítico dos lares de terceira idade, não foi levado ao colo para ser ajudado a votar? Conhece-se a eficácia da estratégia, mas alguns envergonham-se de a usar. Sobre a questão dos intelectuais residentes ou mais distantes, direi que me parecem mais úteis neste momento pessoas com boa preparação profissional, jovens que conheçam mundo, gente com boa formação cívica e com vontade de trabalhar e, alegria de viver por aqui. Na verdade no concelho volta a haver muita gente a lutar simplesmente pela sobrevivência.
E sobre as questões de cultura e intelecto a estatísticas não mentem e informam que a tasca do Sr. Fernando Lázaro continua a ter mais clientes do que a nossa Biblioteca.
Sobre a questão de se tirar partido da gente da diáspora devo dizer-lhe que tal ideia constou no programa da candidatura do PSD de há quatro anos. A minha ideia é a de que não se concretizou o encontro a organizar porque dá trabalho. De resto vale a pena ler esse programa par encontrar ideias excepcionais que só não se concretizam porque dão trabalho. 90% do que se fez resultou, ou de despachos, de programas subsidiados e concretizados do exterior ou de subsídios distribuídos.
Assim sendo e da minha parte apenas espero usar do direito de, tendo-me proposto a sufrágio, poder apreciar com mais responsabilidade a próxima gestão autárquica.

mario carvalho disse...

discutiu-se hoje o futuro do vale do tua.. ficção ou realidade?

a minha opinião já conhecem...

Penso que Carrazeda , a mais prejudicada com o projecto, esteve presente e defendeu os interesses de todos, a reunião foi em Alijó porque está já ali,

deixo o link da noticia
http://www.publico.pt/local/noticia/debate-sobre-a-linha-do-tua-junta-operadores-e-investigadores-em-alijo-1608707

https://news.google.com/news/story?ncl=http://www.publico.pt/local/noticia/debate-sobre-a-linha-do-tua-junta-operadores-e-investigadores-em-alijo-1608707&hl=pt-PT&geo=PT


......


mario carvalho disse...

A quem interessar .. se calhar a ninguém .. pelos vistos

http://apodrecetuga.blogspot.pt/2013/10/quanto-mais-calado-mais-roubado-e-o.html#more

mario carvalho disse...

a todos os amigos de carrazeda

"O que mais me preocupa:
- Não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos,
nem dos sem carácter, nem dos sem ética.
O que mais me preocupa:
- É o silêncio dos bons!
Martin Luther King"


Fernando Gouveia disse...

Caro Mario Carvalho: li com atenção os artigos para os quais remeteu. Quanto à EDP, o escândalo é tal que se pergunta como é que ninguuém interrogou o Primeiro Ministro sobre a demissão do Secretario de Estado e, em seguida, do proprio ministro. As rendas da EDP e o preço da electricidade é outro assunto contra o qual me insurgi.

Quanro à barragem do Tua e a configuração do transporte turistico, o meu comentario é o seguinte: Ja que não se conseguiu evitar a perda maior (o quadro geografico, geologico, social e humano do Vale do Tua) que os nossos autarcas procurem ao menos aproveitar a frente ribeirinha que tera vistas sobre a albufeira. Entre o Fiolhal e a Brunheda ha espaço para muita iniciativa.
ps. desculpe a falta de acentos, pois estou a escrever nun pequeno notebook em Espanha);

mario carvalho disse...

Obrigado pela sua questão Caro Fernando Gouveia.

Começo por recordar que , estou envolvido, neste processo da defesa da linha e do vale do Tua , desde que nasci, há 65 anos e tudo tenho feito para o defender.

Recordo que deixei de ter uma posição activa nos vários movimentos , a partir do momento em que , contra todos os estudos técnicos, a UNESCO, entidade em que acreditava , tomou uma decisão politica e dessa minha posição informei a grande maioria das entidades e contactos (o amigo José Mesquita foi um deles) e me desliguei de reuniões, esclarecimentos, entrevistas ,facebooks , blogues (à excepção do pensar ansiães , porque é onde se econtra quasi toda a HISTóRIA do processo de destruição)

O futuro julgará

....

Não tenho nada contra a EDP ou contra qualquer empresa .. sou , por formação , adepto da livre concorrencia , com regras, e da valorização e reconhecimento do mérito e do trabalho.

Sou sim é contra quem é eleito para defender os interesses das populações, não tenha capacidade para isso ou , seja fácilmente influenciável.. se assim não fosse, Trás os montes , não seria a região mais pobre e atrasada de toda a UE, apesar ser , das mais ricas do país em recursos naturais e humanos.. comparo muitas vezes à Nigéria, um dos maiores produtores de petróleo do mundo , onde só vivem bem, .. os estrangeiros que exploram e os capatazes locais.
.........

Já conhecemos os métodos das grandes empresas e o envolvimento politico e dos politicos..

A EDP , como qualquer empresa, tem 2 grandes objectivos:

1º obter lucros

2º ser cada vez mais primeiro .. aumentando a cota de mercado à custa da minorização ( destruição) da concorrencia



isto é normal em Gestão e marketing quer seja a EDP, o bordel , ou o tasco da esquina... (ganhar dinheiro e ser o mais importante)

Para regular a actividade das empresas existem leis e regras e existem os executores..

Agora imaginem que , alguém com influencia , consegue licença para abrir um bordel, mesmo por baixo do prédio em que vivem!!!E há muitos que conseguem...

..........

continua

mario carvalho disse...

Caro Fernando Gouveia

Vou tentar responder à sua questão sobre o que fazer, neste momento, em relação às promessas de grande desenvolvimento ..

Como sabem, escrevo ao correr da tecla e raramente releio.. por isso as minhas desculpas.. erros, pontuaçao etc

....

Permitam-me que conte uma história que surgiu agora:

Imaginem um hospital especializado em ortopedia..com objectivos a cumprir.. cirugias a fazer, proteses para vender, para poderem justificar a existencia do hospital, os vencimentos e a té o ranking.. querer ser o número 1 e cada vez mais distante do nº2,..

Que fazer?

Tudo isto é imaginação,,, mas..

Entra uma pessoa com uma dor na perna ... que fazer?

1º dar um analgésico/anti-inflamatório emandar para casa

2º Fazer uma radiografia, um tac , dar um analgésico e mandar para casa

3º Internar, amputar a perna , aplicar uma prótese ultra moderna, chamar os maiores especialistas para um congresso sobre o caso.. todos ganharam muita fama e dinheiro e esqueceram-se do desgraçado do amputado (desnecessáriamente) que mandaram para casa e que j+a nem dinheiro nem transporte tem para ir à consulta , apesar das dores horriveis que agora tem..

Caros amigos .. qualquer semelhança com a realidade é ... pura coincidencia

continua---

mc disse...

Caro Fernando Gouveia

As minhas desculpas

Tive de me ausentar

ainda tentei postar um trabalho já preparado , mas não estava compativel pelo tamanho, com as caracteristicas do blogue.

Vou tentar responder de uma forma mais simplificada , talvez mais logo.

cump

mario carvalho

mario carvalho disse...

Exerto de uma apresentação
em 25/03/2010

ROTARY CLUB DO PORTO OESTE

PRESIDENTE

DOUTOR JOSÉ MANUEL PAVÃO

Om o objectivo de sensibilar e recolhaer assinaturas para a Candidatura da Linha do Tua a Patrionio de Interesse Nacional
....
Um pouco da História da Linha do Tua

HOMENS DE CORAGEM QUE ACREDITARAM

QUE ERA POSSÍVEL DESENVOLVER TRÁS OS MONTES E

O COMBOIO SERIA O MEIO

a minha homenagem

mario carvalho


No Sec XIX a pá, picareta e dinamite conseguiram, em dois anos, construír o troço mais difícil entre o Tua e Mirandela

No SEC XXI , com toda a tecnologia, em 2 anos não conseguiram descobrir a causa do acidente mortal

Construção
• Tua – Mirandela (54km)

Construção entre 1884 e 1887;

– 7 Túneis
– 3 Viadutos
– 5 Pontes
– 15 Estações

Inauguração a 27 de Setembro de 1887.

• Mirandela – Bragança (80km)

– Construção entre 1903 e 1906;
– Inauguração faseada, entre 2 de Agosto de 1905 e 1 de Dezembro de 1906


O Comboio do Tua abriu Trás os Montes ao Mundo e permitiu o transporte dos seus produtos de qualidade reconhecida mundialmente:
- Vinho generoso
- Azeite
- Frutas
- Matérias primas

e sobretudo do seu maior potencial:
o TRANSMONTANO

a PARTIR DOS ANOS 80/90 .. interesses mesquinhos . começam a preparar a sua destruição:

• Horários desajustados:
– Horários escolares e laborais desajustados ou inexistentes: Bragança (1991) – 15H00 – 19H40;

• Material circulante, via e estações envelhecidas:
– 45 limitações de velocidade, baixas velocidades máximas (20km/h a 45km/h), automotoras obsoletas;

• Lobby rodoviário:
– Incentivo à Rodoviária Nacional, privilegiando a estrada em detrimento do caminho-de-ferro.

Até que depois do Presidente da Republica garantir que a linha não fechava, fechou mesmo à força da força bruta da cavalaria que investiu contra os transmontanos que pretendiam impedir que lhes roubassem a sua linha.

15 de Dezembro de 1991:
– Encerramento do troço Mirandela – Macedo de Cavaleiros;

• 17 de Dezembro de 1991:
– Descarrilamento em Sortes – suspensão da circulação ferroviária entre Macedo de Cavaleiros e Bragança;

• 18 de Dezembro de 1991:
– Populares sequestram autocarros de substituição em Salsas, Cortiços e Fermentãos e bloqueiam estradas e a linha;
– Reunião em Lisboa entre Governo, CP e autarcas: Linha do Tua não será encerrada, apenas suspensa por questões de segurança.

Até que as autoridades que deviam ser o garante das populações protagonizam a vergonha do grande roubo pela calada da noite
http://www.youtube.com/watch?v=zKqVyVKh3KM
à medida que o comboio ia desaparecendo.. desaparecia também a população desiludida dando lugar ao despovoamento e à desertificação que todos os responsáveis prometiam combater… só quando iam mendigar o voto
para garantirem o seu tacho

Passageiros na linha do Tua

Decaiu de 173 849 em 1990 para cerca de 30 000 em 2000

Em 2001 subiu para 96 000 , em 2001 decaiu para 26 860 e no ano 2006 a linha tua transportava cerca 41 905 passageiros.

(onde e como andam agora ??)


Evolução Demográfica 1991-2001
Concelho Evolução
Alijó -1993
Carrazeda de Ansiães -1600
Vila Flor -924
Bragança 1634
Macedo de Cavaleiros -1498
Mirandela 600
TOTAL -3781

continua..


mario carvalho disse...

De Mirandela para o Tua pretendem também fechar.. apesar das promessas

Param as Napolitanas e a Metro de Mirandela passa a fazer o trajecto para evitar o encerramento.

Actualidade
• Metro de Mirandela: Exemplo único no país de reabertura de uma via-férrea – 1995;
• Material circulante desajustado, pouca oferta de horários e desconcertação com outros transportes públicos;
• Inserida no Douro Património da Humanidade e no Vale do Tua, reconhecida além fronteiras como das mais belas vias-férreas do mundo;
• Última ligação ferroviária do distrito de Bragança ao resto do país, distrito com piores condições de mobilidade para a sua população e indústria/comércio;
• Deficiente manutenção da via e não aplicação de directrizes dos Relatórios de segurança de 2000 e 2007;
• Em Março a Linha está melhor ou na mesma?

Durante 120 anos e sem tecnologias nunca houve acidentes graves na linha do Tua
Em 23 de Dezembro de 2005 foi anunciada , pelo 1º Ministro a construção da barragem do Tua
Começam os trabalhos de prospecção e também os acidentes

2006 - Dois milhões de euros são investidos em obras de consolidação e reparação da linha.
12 Fevereiro 2007 - Um desabamento de terras motiva a queda de uma composição comercial do metro de Mirandela no rio Tua. Morrem três dos cinco passageiros que faziam a ligação entre as estações da Foz do Tua e Mirandela.
Janeiro de 2008 - Reabertura da linha depois do acidente anterior.
10 Abril 2008 - Três trabalhadores da REFER ficam ligeiramente feridos, numa acidente na linha.
06 Junho 2008 - Uma composição do metro de Mirandela descarrila perto da Estação Foz Tua, a poucos metros do local onde decorrera o acidente de Abril. O maquinista e dois passageiros ficam feridos sem gravidade. O ministro dos Transportes, Mário Lino, afirma que os terrenos são instáveis e que os acidentes podem "ocorrer com alguma facilidade" na linha.
22 Agosto 2008 - Um acidente ferroviário perto da estação de brunheda, Carrazeda de Ansiães, causou hoje pelo menos dois mortos e dezenas de feridos.
Fonte : http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/393297

Mário Lino , Ministro dos Transportes e a sua Secretária de Estado , Ana Paula Vitorino, garantem que a linha não fecha e que não sabem de nenhuma barragem!!!
Fonte http://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministro-mario-lino-garante-que-linha-do-tua-nao-sera-encerrada-1347484

DURANTE 120 ANOS E SEM TECNOLOGIA . PRÁTICAMENTE NÃO HOUVE ACIDENTES MORTAIS

A PARTIR DE 2005 , APÓS O ANÚNCIO DA BARRAGEM .. É O QUE SABE...

QUANTO À CANDIDATURA DA LINHA DO TUA A PATRIMÓNIO DE INTERESSE NACIONAL, SOLICITADA POR ALTAS INDIVIDUALIDADES ISENTAS.. foi aceite depois de muitas pressões e INDEFIRIDA por se considerar que havia muitas linha em Portugal como aquela.. Os mesmos responsáveis, antes de terminarem a sua "missão" no IGESPAR .. aprovaram a envolvente e a barragem do Picote , como de interesse Nacional...

mc disse...

A seguir vem a " ilusão " do progresso" à custa da sucata da linha
e do abate dos carrascos .. Bem vendido o "vale maravilha" como lhe chamou nos primórdios, o anti barragem João Luís Teixeira... era só água límpida, barcos e barquinhos, tudo verde , com meninos e meninas a correrem atrás das ventoinhas... e os pastos transformados em hoteis flutuantes, com a gerencia dos reciclados pastores em cursos rápidos, serviam as sacrificadas ovelhas e cabritos de chanfana...O Presidente da Assembleia Municipal de Carrazeda, rejubilava , no seu discurso em cima da ponte , com os benefícios para Carrazeda: iam construir um ancoradouro.

.....

Numa reunião sobre o a Linha e o Vale do Tua, com a presença do Sr D. Duarte, inquestionável defensor , no Salão nobre da Câmara de Mirandela , há cerca de 5 ou 6 anos, muitos falaram da história, da sua importância para as populações se deslocarem , para ir ao médico, vender e comprar produtos, que o comboio fazia parte do dia a dia etc..mas alguém defendia a barragem porque ia produzir energia necessária ao nosso país e que só tínhamos de negociar bem..

A minha opinião foi:

Se consideramos a linha e vale do tua como fazendo parte da nossa identidade, como um factor de desenvolvimento fundamental , porque rasga a meio todo o trás os montes , unindo Bragança, Macedo, Mirandela ao Douro e por sua vez a todo o país e ao mundo, se não formos capazes de impedir a sua destruição, não teremos capacidade para negociar nada.

E infelizmente assim foi ; perdemos a linha, perdemos os hospitais, perdemos os C de saúde, estamos na iminência de perder, os correios, as finanças, a GNR, tribunal, finalmente a Câmara e sobretudo perdemos “as pessoas”

mc disse...


VALERÁ A PENA DESTRUIR

• Um vale único
• Uma linha de caminho de ferro considerada uma das maiores obras da Engenharia Portuguesa e uma das mais belas do Mundo e que rasga todo o tras os montes, permitindo o acesso ferroviário de Bragança ,Macedo,Mirandela ao Douro e daí a todo o mundo
• Oliveiras centenárias que produzem o melhor azeite do Mundo
• Videiras e um microclima que produz o melhor vinho do Mundo
• Termas sulfurosas milenares
• A ligação de caminho de ferro ao interior de Trás os Montes
• Aumentar a desertificação e abandonar as populações
• Arriscar que o DOURO PERCA A CLASSIFICAÇÃO DE PATRIMÓNIO MUNDIAL
……………………..

POR

UM MONSTRO DE UMA BARRAGEM que pouco ou nada vai produzir?


......

Quanto ganha Carrazeda.. só para fazer uma linha nova do Tua à Brunheda , os estudos apontaram para 300 milhões e não era a original.

As vinhas e terras alagadas e alteração do clima que pode levar à declassificação de zona de benefício

Como se vão fazer transportar as pessoas?

Ou para vão as pessoas?


continua



(estou quasi a terminar . obrigado a todos e até logo))

mario carvalho disse...



Até que , chegamos à fase dos testes..e para isso faz-se um estradão na margem direita do Tua ..Tudo legal.. todas as licenças.. Alijó confirma .. até que .. afinal não havia licenças e ,o estradão foi construído por lapso.. segundo a EDP

http://www.linhadotua.net/3w/index.php?option=com_content&task=view&id=86&Itemid=37

rapidamente garantido pelos relações publicas que iam repor


http://coagret.wordpress.com/2008/01/14/a-edp-vai-repor-a-situacao-original-do-vale-do-rio-tua/

a dona e responsável pela linha nada sabe..

http://www.linhadotua.net/3w/index.php?option=com_content&task=view&id=135&Itemid=37


até que têm que se destruir os ultimos 3 Km para fazer testes..


e a linha não volta a funcionar . porque afinal ..sempre era verdade .. ia haver uma barragem e com barragem a linha não podia existir....

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1787162


e depois.. UNesco e depois desactivação da linha e depois CP/Refer dizem que deixa de fazer parte da rede ferroviária..enfim Souto Moura.. e pintar umas águias no paredão e meter tudo num museu .. como o de Bragança .

continua


mario carvalho disse...

Até que chegamos à situação actual


Caro Fernando Gouveia e caros amigos

Eu não me iludo fácilmente , pelos bens falantes e vendedores de sonhos ou banha da cobra;

- Eu não Troco valores por libertinagem
- Eu não abandono um amigo

- Eu não troco um móvel de castanho antigo , por uma modernice do IKEA

- Eu não troco um fio de ouro , oferecido, por um pischebeque

- eu não troco um quadro antigo por
um moderno de um menino a chorar

- eu não troco a linha e o vale do tua .. por promessas de barquinhos e vale maravilha

- Eu não sou como o falácio das falácias que acredita em tudo e depois se arrepende .. nem mijo para o rio porque o respeito .. isso fazem o que estão de alto e mijam na sanita sem saber para onde
o estão a fazer..

POR TUDO ISTO:

- PELO QUE A LINHA DO TUA REPRESENTOU , REPRESENTA E PODERÁ REPRESENTAR EM TERMOS DE FUTURO

- PELA DEFESA DE UM PATRIMÓNIO NATURAL ÚNICO COM O SEU HABITAT, AS VINHAS , OLIVAIS E CASTANHEIROS TUDO EM HARMONIA.. ECOSSISTEMA IMPAR..

- PELA FORMA POUCO TRANSPARENTE COMO DECORREU TODO O PROCESSO,

- POR NÃO SE JUSTIFICAR DESTRUIR TUDO E CONSTRUIR UMA BARRAGEM QUE NOS VAI EMPENHAR AINDA MAIS QUE AS SCUTS.. PRODUZINDO POUCA ENERGIA .. PENSA -SE 3 OU 4 MESES POR ANO E NUMA FASE EM QUE ESTAMOS A CONSUMIR MUITO MENOS.. E A EXPORTAR À NOITE PARA REDE INTERNACIONAL A PREÇO 0

- POR NÃO ACREDITAR NAS CONTRAPARTIDAS PROMETIDAS..

"NÃO ACEITO ... NEM POSSO ACEITAR .. ISSO ERA O MESMO QUE RENEGAR TUDO AQUILO PORQUE SEMPRE LUTEI"

....

QUANDO TIVER A ÁGUA PELO PESCOÇO OU QUANDO FOR EXPULSO .. REFUGIAR-ME-EI NUM CANTO QUALQUER .. BEM LONGE DESSE TORMENTO

......

termino com , relativamente à noticia dos barquinhos , colocando uma questão:

- Qual a alternativa de mobilidade para as populações que eram servidas pelo comboio e constante nos compromissos da DIA e do RECAPE?

- A quem se destinam os barquinhos e a linha da Brunheda até Mirandela?

- A que horas se sai do Porto e a que horas se chega a Mirandela?

- Quem aguenta a viagem ? É só para radicais do slide?

- É para funcionar todo o ano?

- Se A EDP comparticipa com 10 M e são precisos 40 ou 70 como outros dizem, o que acontece se as candidaturas a fundos não forem aceites?

- NO FUNDO QUEM ESTÁ A PROMETER , SABE O QUE ESTÀ a PROMETER E ASSUME A RESPONSABILIDADE????!!!.. OU A AGENCIA VAI SERVIR PARA QUÊ?!



.......

Para os que, normalmente só só leu as gordas , e por isso considera os argumentos apresentados não válidos(falácias), sugiro que se debruce sobre as pequenas:

-http://www.avozdetrasosmontes.com/noticias/index.php?action=getDetalhe&id=9712

Plano põe fim ao serviço público de caminho-de-ferro
Mobilidade no vale do Tua só para turismo

A infraestrutura intermodal do Tua só irá funcionar na sua plenitude entre maio e outubro. Esta novidade foi avançada durante a 3ª conferência internacional “Railroads in Historical Context” que decorreu sexta-feira, em Alijó, e reuniu mais de 40 investigadores internacionais, entidades oficiais, operadores turísticos do Douro e a EDP. Assim, caiu por terra a vontade de várias associações que exigiam o regresso do serviço público ao troço desativado.

Foi pela boca de Sérgio Figueiredo, administrador-delegado da Fundação EDP, que se fez “luz” sobre o que poderá ser o megaprojeto de mobilidade intermodal de Foz Tua, que pretende constituir uma oferta turística de excelência assente em três meios de mobilidade: o funicular, o barco e o comboio.
Durante este encontro internacional, foram apresentados e debatidos estudos sobre a história do Vale do Tua e da Linha do Tua, bem como... (*)
continua

mario carvalho disse...



Conclusão:

Para já , caro Fernando Gouveia, tal como o Hospital de Ortopedia, só ainda cortaram uma unha , para análise(os ultimos 3 Km e mais uns pelos. (os sobreiros a arvore nacional por excelencia e uma biópsiazinha... Mas tudo farão por cortar a perna até à Brunheda.. e esperar que o resto morra.. para assim se aproveitarem e ganharem muito, muito dinheiro..para os offshores
.............

a minha posição repito:

"NÃO ACEITO ... NEM POSSO ACEITAR .. ISSO ERA O MESMO QUE RENEGAR TUDO AQUILO PORQUE SEMPRE LUTEI"

quando tiver a água pelo pescoço, ou for refugiar-me-ei num local bem longe, desejando que todos sejam felizes e que as

PROMESSAS DE UMA VIDA MELHOR PARA TODOS OS CARRAZENSES .. SEJAM CUMPRIDAS..

ps. Garanto, por minha honra , que nunca recebi um tostão de ninguém, nem eu nem ninguém do Movimento Cívico Pela Linha do Tua. . Todas as expensa foram à nossa custa numa luta desigual de David contra Golias... mas A LINHA E VALE DO TUA merecem na agonia da condenação à morte por afogamento.

AGRADEÇO A TODOS OS QUE TÊM AJUDADO O TUA E SÃO JÁ MUITOS, MUITOS

AGRADEÇO AO GRANDE COMPANHEIRO JOSÉ MESQUITA, TODO O APOIO , ESPERANDO QUE , UM DIA ESCREVA A VERDADEIRA HISTÓRIA DO PROCESSO DA LINHA DO TUA E DOS SEUS GRITOS ESTRIDENTES PERANTE OS APRENDIZES DE FRANKENSTEIN QUE atingem o climax ao destrui-la para aprender...




"NÃO ACEITO ... NEM POSSO ACEITAR .. ISSO ERA O MESMO QUE RENEGAR TUDO AQUILO PORQUE SEMPRE LUTEI"


até sempre

mario carvalho

ps vai com erros , mas desculpem não corrigir










Artigos para Fernando Gouveia e a quem interessar

História da Linha do Tua do Padre Ernesto Sales (Caderno a distribuir )

http://www.linhadotua.net/docs/sales.pdf


- História da Linha do Tua Guia de Portugal (Caderno a distribuir )


http://www.linhadotua.net/docs/alinhai.pdf


Mario Lino garante que Linha do Tua não fecha

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministro-mario-lino-garante-que-linha-do-tua-nao-sera-encerrada-1347484


Analisem bem as respostas e as perguntas

http://www.a-nossa-energia.edp.pt/centros_produtores/perguntas_frequentes.php?item_id=80&cp_type=&section_type=perguntas_frequentes


Vejam quais os objectivos e a constituição da Agencia

http://www.valetua.pt/portfolio_tags/agencia-desenvolvimento-regional-do-vale-do-tua/

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=3483609





toda a informação desde a formação do MCLT. Movimento Cívico pela Linha do Tua

desde 2006

www.linhadotua.net

mario carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.