20 novembro 2009

Ipsis verbis

“O ideal era que de facto os idosos pudessem morrer onde nasceram porque muito poucos quererão morrer num lar de terceira idade, longe da família, longe dos seus vizinhos. É esse modelo que eu gostaria de experimentar em Alfândega da Fé, um modelo que respondesse às necessidades actuais e futuras, um modelo de prestação de cuidados diferente, de modo a não os desenraizar. É preciso inventar novas formas de cuidar dos nossos idosos” Berta Nunes, P. C. de Alfândega da Fé

3 comentários:

Manuel Barreiras Pinto disse...

Plenamente de acordo, com estas ideias.Parabéns Drª experimente e crie esse projecto, porque todos vamosser idosos, mais dia menos dia e é na nossa casa, no nosso lar, que se fôr possível permanecer até ao dia da partida, que está marcada e não pode ser adiada.

Manuel Barreiras Pinto disse...

Plenamente de acordo, com estas ideias.Parabéns Drª experimente e crie esse projecto, porque todos vamosser idosos, mais dia menos dia e é na nossa casa, no nosso lar, que se fôr possível permanecer até ao dia da partida, que está marcada e não pode ser adiada.

Anónimo disse...

Reconheço a vontade da SRA DRA BERTA NUNES pensar num modelo diferente no que respeita ao bem estar dos nossos idosos até ao fim da sua vida,congratulo-me com isso e espero que consiga.
Mas também no que respeita a esta causa muitas vezes os filhos põem os Pais nos lares porque querem e não por não terem tempo de para os poderem ter na sua companhia,é que assim podem estar à vontade em suas casas,ir de férias quando assim o entenderem.Estes que assim procedem esquecem-se que a velhice também os espera e que não merecerão mais nem menos do que aquilo que fizeram aos deles.
Para os que ainda trabalham até aceito que o façam pois será melhor para ambas as partes,os filhos sabem que os seus pais estão entregues têm comida medicamentos a horas e instalações confortáveis,para os pais também será melhor do que passarem os dias e noites sózinhos nas suas casas de onde muitos também teimam em não quererem saír.