01 julho 2008

Obscenidades

Preocupa-me a incoerência e falta de firmeza na tomada de decisões.
Preocupa-me tanto como a falta de responsabilização. Quem me explicará a deliberação do Sr. Ministro das Finanças, que antes considerava ilegal a ultrapassagem do “plafond” de empréstimos de certos Municípios para agora voltar a dar o dito pelo não dito e, passar a consentir novos empréstimos!
Num momento de crise em que é sobretudo a classe média quem trabalha e suporta estoicamente a carga de impostos, considero obscena a manifestação de mais esta incoerência. Com que cara se sentirão aqueles presidentes de Câmara que, não prevaricam e respeitam uma lei que, agora já não é! Apoiarão os seus colegas que esbanjam!?
Que prioridades terão sido definidas para dar mais uma oportunidade às Câmaras Municipais que se dedicam a penhorar o futuro das próximas gerações, contraindo empréstimos sucessivos que alguém, que não eles, pagará mais tarde!
Infelizmente o nosso município está entre os que, sem conta nem nexo, se tem dedicado a delapidar o erário público ao ponto de ser considerado um dos maiores devedores. Não dignifica ninguém este estado de coisas mas, quando nem vergonha se sente pelo papel que se faz realmente resultaria no mesmo, e com as mesmas consequências para o povo, com sanções ou não. Dai se concluir que só com severas punições se conseguirão estancar certos tumores, nesta democracia em crise. Desta vez o próximo dinheiro, que há-de vir, será destinado à conclusão dos parques infantis e gimnodesportivos de aldeias sem crianças e jovens, a iluminar as ruas por onde já ninguém passa, a calcetar os caminhos que já funcionavam quando havia gente, quiçá talvez a promover as próximas festas do concelho. Ao mesmo tempo que a pretexto de poupança de dinheiros por exemplo, o poder central nos retira os serviços nocturnos de urgência, decide ceder a prevaricadores como estes. Não haverá pois lugar a pensar-se no social, muito menos em proceder-se aos pagamentos a quem se deve. A propósito, quantas empresas terão já falido por incumprimento de Câmaras!? Vai todo para a “ requalificação de espaços urbanos”.
Perante a comprovada má gestão destes municípios, excrescências da nossa jovem democracia, não seria mais digno e honesto oferecer a fundo perdido, algumas verbas que os salvasse da depressão que nos criam mas que, os consciencializasse para as situações de excepção que deveriam resolver! Talvez este, gesto afinal comum em certos organismos públicos, fosse melhor tolerado por quem contribui honestamente com os seus impostos para a sustentabilidade do país. São os trabalhadores honestos que merecem o nosso reconhecimento.

4 comentários:

Anónimo disse...

Faça um favor ao povo - vá de férias e não escreva mais baboseiras.... BOAS FÉRIAS

Helder Carvalho disse...

O Povo não sofre com as baboseiras que se escrevem, sofre com as que se fazem. Conclusão, por mim pode continuar a dizer baboseiras.

Anónimo disse...

o sr. prof. mesquita è là capaz de dizer baboseiras. ò sr. professor h. de c., não insulte as sumidades!!!!
ateia

manuel pinto disse...

É vergonhoso como os comentadores que se escondem debaixo da capa do anonimato,vomitam tanta porcaria que o pobre cérebro está mesmo enfermo. Os ratos denunciam a sua presença, o anónimo nem isso faz. E o meu amigo h. carvalho, nada mais fez do que expressar a sua indignação, - a que tem direito- a um problema nacional que diz respeito a quem paga impostos e inpunemente este governo vem dar cobertura aos erros praticados. è caso para dizer que o crime compensa. Manuel Barreiras Pinto