24 junho 2008

Adora os Livros

A propósito de um texto no Blog - Pensar Carrazeda, do Sr. Dr. João de Matos, que apelidou de “Adoro destruir Livros”, pareceu-me pertinente formular aqui algumas apreciações a propósito de livros e da sua leitura, junto de nós.
Fui dos que na minha infância usufruíram do prazer de ler, à custa da F. Gulbenkian. Nas suas carrinhas ambulantes esta instituição fazia-se percor por todos os lugares distribuindo livros por quem os quisesse requisitar para ler.
Mais tarde, Vereador na C.M. formulei, conjuntamente com o Prof. Ricardo P. Pereira, uma proposta do seguinte teor: “… Que na falta de outra instituição, seja a Câmara Municipal a garantir a circulação de uma carrinha/biblioteca que, à semelhança da antiga biblioteca itinerante da F.G. garanta a distribuição, por empréstimo, de livros para leitura, por todas as localidades do Concelho.
Que sejam estabelecidos protocolos com instituições e Autarquias que garantam a viabilidade de tal projecto, rentabilizando as infra-estruturas a criar e que garantam a quantidade e qualidade dos livros a manusear.
Que seja estudada a possibilidade, de se disponibilizarem nessa itinerancia, outros produtos culturais para utilização das populações, como sejam: - Jornais e revistas periódicas; Vídeos e CDs; Documentos informativos; Jogos lúdicos, etc”.
Esta proposta foi formulada em 12/3/1989. Teve a seguinte deliberação: “Que o assunto seja discutido quando for contratada a Bibliotecária”.
Mantém-se a conhecida incapacidade para motivar os nossos jovens para ler, pelo que se continua a justificar a proposta.
Mais uma vez se perguntará: - E onde está o dinheiro!?
È muito provável que haja muita gente que, tal como o Sr. Dr. J. Matos, esteja disposta a dispensar os livros que já lhes não interessam. Podia ser um passatempo interessante promover-se uma campanha de angariação de livros junto de quem os quisesse oferecer.
Entretanto também poderemos perguntar-nos se a prioridade definida pela C.M. de gastar verbas a caiar mais uma vez a nossa Biblioteca Municipal não poderia antes ir para a promoção e dinamização deste local de leitura ou de outros como o do exemplo que se deu!
Afinal, sendo o Homem um produto da sua circunstância, a sua actuação resultará ainda e também, deste processo de conhecimento.

8 comentários:

João disse...

O que eu,no fundo, pretendo dizer é que o que verdadeiramente interessa é o que se intererioriza e não aquilo que permanece nos livros,às vezes tidos como objectos de adoração,muitas vezes sem serem lidos por ninguém,até porque há medo até de emprestá-los porque podem ser danificadas as suas lombadas.
Por outro lado, acho que os conhecimentos que se adquirem devem constituir dentro do nosso cérebro uma amálgama que ,por sua vez, vai dar origem a um saber muito próprio,trabalhado pelo nosso cérebro.
Quando expendimos ideias,como foram trabalhadas por nós,são nossas e não dos livros onde colhemos muitas coisas.
JLM

João disse...

Não sei se a sua sugestão feita há anos ainda estará actual. De qualquer modo, concordo que lugares como a biblioteca,o centro de apoio rural,o centro cívico,etc.,devem ser gastos pelo uso e não pelo decurso dos anos.
JLM

Helder Carvalho disse...

Efectivamente o meu caro Sr. Dr. JLM dissertava sob pontos de vista filosóficos, quando o título do seu comentário me conduziu noutra direcção e me levou a recordar um passado já remoto, porque esquecido.
Quanto ao seu último comentário eu propunha a ampliação do leque de locais a dar bom uso, neste caso, com a leitura. Desde a sombra do pinheiro, passando pelas paredes de espaços públicos, pelos centros culturais por essas aldeias fora, pelas igrejas e cafés, pelos lares de terceira idade, pelas bibliotecas escolares, pelas repartições da função pública no espaço de recepção e nas secretários dos funcionários, pelo Centro de Saúde, pelas Juntas de Freguesia, pelos apeadeiros de autocarro, pelas montras e placards, pelas retretes públicas e acabava em grande na nossa Biblioteca Municipal.

João disse...

Refere tantos sítios e modos que não sei porque se zanga por termos a ideia de que tem propensão para o humor.
JLM

Anónimo disse...

pontos de vista filosóficoa? essa é boa.

Anónimo disse...

porque pontos de vista filosóficos só os tem a admeniostrador.

Anónimo disse...

Este último anónimo quer tanto criar uma birrazinha...
Enfim...já se sabe porquê!
Lamentável!

Anónimo disse...

Tanta coisa para se ler um livro???
Sentado na sanita ... debaixo de um pinheiro na Srª da Graça... ao sol debaixo de uma sombrinha...no banco de trás do carro...
Entre 4 paredes é demasiado oficial e não deixa esplanar as ideias...

Allez